Serviços e Especialidades

2ª a 6ª feiras
das 8:00 às 12:00 hrs
13:30 às 18:00 hrs

Sábados
das 9:00 às 13:00 hrs.

Diagnóstico Laboratorial

2ª a 6ª feiras
das 8:00 às 12:00 hrs
13:30 às 17:00 hrs

Sábados
das 9:00 às 11:30 hrs.

O que pode influenciar nos exames laboratoriais

O resultado de um exame laboratorial confiável e de qualidade depende do preparo do paciente, da forma da coleta do material e do manuseio da amostra coletada. Qualquer variação nos procedimentos pode comprometer o seu resultado sendo assim cada veterinário deve padronizar a sua coleta de amostras para minimizar o mais possível as variáveis importantes.

Cada amostra coletada deverá ser imediatamente transferida paras o tubo adequado, sendo este procedimento de forma suave, para que o sangue escorra pelas paredes do tubo, a fim de evitar a hemólise sanguínea. O tubo com anticoagulante possui capacidade para uma determinada quantidade de sangue, caso seja colocado sangue a mais da quantidade indicada, ocorrerá coagulação da amostra. Lembrar sempre que após transferir o sangue para o tubo deve-se homogeneizar o sangue com o anticoagulante invertendo-se o tubo delicadamente por 10 vezes. Em caso de sangue a menos, haverá diluição do sangue alterando os parâmetros hematimétricos e a citologia pode apresentar-se alterada.

Coisas simples podem causar variações nos resultados dos exames conforme abaixo:

Atividade física: as amostras de sangue coletadas imediatamente após uma atividade apresentarão elevação no hematócrito e no número de leucócitos. Estas alterações desaparecem algumas horas após o exercício, desta forma o correto é esperar o animal descansar e relaxar para então realizar a coletar da amostra.

Situações de estress: os animais que são transportados de um ambiente para outro, a própria presença de um veterinário, as pessoas estranhas, os sons e odores estranhos, podem levar ao estresse emocional, causando um aumento da glicemia e do número de leucócitos e neutrófilos caracterizando o leucograma de stress agudo (neutrofilia, linfopenia e eosinofilia).

Alimentação: o ideal é deixar o paciente em jejum durante toda a noite (8 a 10 horas) antes da coleta. As amostras coletadas após o animal ter se alimentado pode apresentar lipemia, que causa hemólise, hiperglicemia, hiperlipemia e aumento de bilirrubinas. Considerando uma dieta rica em proteinas ainda pode haver um aumento de uréia, já que as proteínas elevam o nitrogênio. A fluidoterapia pode também alterar o resultado dos exames, pois soro glicosado, medicamentos adicionados durante a soroterapia, podem modificar, por exemplo, a concentração de glicose sanguínea. Em casos de impossibilidade do preparo do animal (jejum, medicação) é imprescindível avisar ao laboratório no qual o material está sendo enviado para ciência dos profissionais. Para a glicemia é indispensável o jejum alimentar, para não acusar uma hiperglicemia alimentar.

Medicações: Algumas cefalosporinas provocam alterações de creatininas, as tetraciclinas interferem na determinação da glicose. O ácido ascórbico endógeno e exógeno pode influenciar os testes de glicose e nitrato negativamente. Os glicocorticóides podem alterar a contagem total e diferencial de leucócito, pode aumentar os testes hepáticos, tais como a fosfatase alcalina e a ALT nos cães. A insulina exógena diminui as concentrações séricas de glicose, fosfato e potássio.

Para maiores esclarecimentos entre em contato com nosso Setor de Laboratório Clínico.

Voltar
Pet Imagem Vega Pix | Imagem & Criação

Rua Senador Batista de Oliveira, 202 | Curitiba/PR
Fone: 41 3076-4300 | Fone/Fax: 41 3267-4303

Orkut Facebook